sábado, 16 de setembro de 2017

Um Giro Rápido pela Ilha da Magia

Todos sabem que sou suspeita, mas eu simplesmente amo a Capital Catarinense, com praias exuberantes, vida noturna intensa e bons restaurantes, é ideal para as minhas tradicionais "escapadas" de fim de semana.


No feriado do dia 25 de agosto o destino foi a Ilha da Magia, aproveitamos para passearmos na Joaquina e na Lagoa, almoçamos no Ponta das Caranhas que, além de servir ótimos pratos, tem um ambiente maravilhoso para degustar vinhos ao ar livre, a paisagem é realmente de tirar o fôlego, e para encerrarmos com chave de ouro, assistimos ao pôr do sol em Santo Antônio de Lisboa, mas não sem antes comermos a melhor coxinha da humanidade na Fairyland Cupcakes. 




Outra parada obrigatória do feriadão foi o The Black Swan, pub que fica na Lagoa - ótimo para curtir o bom e velho rock n'roll. E para finalizar a rota de diversões e as incursões gastronômicas conhecemos uma pizzaria super charmosa em Cacupé - Pizzaria Lorenzo's, logo na chegada já me impressionei, pois parece que estamos entrando numa caverna, ela é muito bem conceituada e as pizzas, os vinhos e o ambiente fazem jus às boas avaliações. Vale a pena conferir. 


Esse foi nossa passagem "the flash" por Floripa no último feriadão de Chapecó, podemos fazer muitas coisas por lá, afinal a Ilha da Magia é fenomenal e sempre surpreende! 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Fim de Semana em Treze Tílias

O blog está bem desatualizado, afinal estou ainda postando as experiências de julho e nossa... já  fiz tantas viagens legais e curtas desde então. Mas vamos lá, hoje quero contar sobre o fim de semana que eu e a Daia passamos em Treze Tílias. 



Fizemos tudo que a pequena e encantadora cidade oferece, comemos muita comida típica austríaca, bebemos cervejas artesanais, conhecemos a Kranz (vinícola local), passeamos pela praça e o antigo consulado austríaco (hoje desativado) e, é claro, almoçamos do Ludendorff Park.




Mas o que eu realmente quero contar é sobre nossa experiência em hospedagem, ficamos numa hospedaria simplesmente FENOMENAL, a Hospedaria Pattis, quarto novinho e o melhor, exclusivo. O atendimento é excepcional e caso você resolva passar o fim de semana em família, o quarto abriga cinco pessoa, é amplo e muito limpo! Um capricho.



Junto com a Hospedaria há o atelier com peças em madeira talhadas a mão, e as paredes são inspiradas nas belas imagens desenhadas nas casas e no comércio da cidade de Oberammergau na Alemanha, comentei com a proprietária que me confirmou que sim, a inspiração realmente veio da pitoresca cidade alemã.




Treze Tílias é ideal para relaxar no fim de semana e entrar em contato com a natureza. Aproveite para dar uma "esticada" até a Vinícola Villaggio Grando no interior de Água Doce, de onde se pode observar o pôr do sol mais fantástico do sul do mundo, além de apreciar vinhos de ótima qualidade. Eu indico! 

sábado, 15 de julho de 2017

Vinícola Villagio Grando

Sou sincera em afirmar que nunca fui apreciadora dos vinhos brasileiros, como moro perto da Argentina e pelo fato da qualidade de muitos vinhos dos "hermanos" ser excelente, sempre aposto nos seus rótulos, mas minha opinião foi revista após visitar a Vinícola Villaggio Grando e conhecer seus produtos. 



Um pouco da história da vinícola: "A história se inicia nos anos 90, quando com um amigo francês, cuja família era produtora de armanhaque há muitos anos na França, visitando a região onde hoje se localiza a vinícola, mexendo na terra e analisando o clima e a altitude, indicou o local como "um dos grandes lugares do mundo para se plantar uva para produção de vinhos de qualidade". Um ano após este fato o fundador Maurício Carlos Grando, encontrou-se com o enólogo Jean Pierre Rosier, formado na universidade de enologia de Bordeuax, na França, em uma degustação e este confirmou as idéias expostas. Este mesmo enólogo trouxe da França as primeiras mudas, as quais, em dezembro de 1998 foram plantadas, iniciando um laboratório de pesquisa para a adaptação de castas, o qual, hoje conta com mais de 100 variedades de vitis viniferas, em 5 hectares, diariamente pesquisadas e controladas para se chegar ao exato conhecimento das variedades que melhor se adaptarão ao terroir. Dois anos se passaram e em 2000, foram implantados alguns dos vinhedos hoje existentes em escala comercial com aquelas que melhor se adaptaram à região. O vinhedo vem sendo aumentado com o intuito de se ter plantações suficientes para que sejam abortados todos aqueles cachos em excesso, dando assim à planta, capacidade plena de produzir frutos com qualidade igual a vista nas regiões vinícolas já consagradas do mundo e possibilitando produzir vinhos de forma natural que atingem ótimos níveis de maturação e guarda. Sempre prezando pela máxima qualidade dos produtos a vinícola vem, ano após ano, investindo no controle de produção, melhoramento dos produtos e conta com um vinhedo de 45 hectares cuja produção somando todos os produtos que engloba tintos, brancos, espumantes e em um futuro próximo, um brandy e licoroso chegando a 260.000 garrafas/ano." Fonte: https://www.villaggiogrando.com.br/historia


Agendei uma visita via e-mail, foi bem rápido e os atendentes são bem prestativos, como a intenção era fazer a visitação, a degustação e ainda apreciar o pôr do sol, que diga-se de passagem, é o mais lindo do sul do mundo, optei por ir no último horário - 16h - e como estava hospedada em Treze Tílias levei cerca de uma hora para chegar, pois a vinícola está situada no interior de Água Doce. 



Há também a opção de passar o dia na vinícola, basta formar um grupo de até 20 pessoas, escolher o cardápio do almoço e desfrutar de todas as maravilhas que o local oferece. 


Dos produtos degustados meu predileto foi o vinho Innominabile, algo exclusivo e incomparável, sabor equilibrado atribuído aos seus taninos macios, fiquei realmente surpresa com sua qualidade. Entre os espumantes o Brut Rosé conquistou meu paladar. 



Então, quando o tédio bater tire um fim de semana para passear em Treze Tílias e ir até a Villaggio Grando, a experiência é única e a distância aqui de Chapecó é curta, tenho certeza de que os apreciadores de vinhos não se decepcionarão. Todas as informações sobre agendamentos de visita, bem como compra de produtos, você encontra no site https://www.villaggiogrando.com.br/


"O vinho é a essência da civilização e a arte de viver." Robert Mondavi


Nem todas as fotos deste blog são de minha autoria, caso deseje os créditos por alguma foto ou a sua remoção favor encaminhar e-mail para: crisianiii@hotmail.com

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Um dia na Philadelphia

A "Cidade do Amor Fraterno", assim é conhecido o berço da nação, local onde em 1776 os representantes das treze colônias britânicas assinaram a Declaração de Independência e a Filadélfia tornou-se a primeira Capital dos Estados Unidos da América. 




Os principais pontos turísticos de Philly, como é carinhosamente chamada, podem ser visitados em um dia, como estávamos hospedadas em NY, acordamos cedo fomos até a Penn Station e pegamos um trem que saia 7:50 AM, em uma hora e meia estávamos lá. Então, vou fazer um resumo do que visitar na cidade, que na minha opinião, é uma das mais lindas e charmosas dos EUA. 


Reading Terminal Market: logo que chegamos fomos direto tomar café da manhã no famoso mercado gastronômico da cidade. Criado sob um galpão ferroviário em 1892, hoje uma infinidade de opções, padeiros, peixeiros, açougueiros, floristas ocupa o espaço, onde o movimento de turistas e moradores locais é intenso o dia todo, seja para comprar os mantimentos diários ou tomar o bom e velho breakfast. Comer os famosos pretzels e donuts é obrigatório, pois são tradicionais e deliciosos, e caso queiram comprar souvenires da cidade há várias lojas no local e os preços são bem convidativos. 




Independence Hall: devidamente alimentadas partimos para a nossa maratona e a primeira parada foi no Independence Hall, onde a imponente construção de tijolos à vista se destaca. Aqui foi escrita a Declaração de Independência (aprovada pelo Congresso Americano em 4 de Julho de 1776), vale frisar que o projeto da Constituição dos EUA foi feito na mesma sala em 1787. Um dos grandes destaques do local é o Liberty Bell, feito em bronze, originariamente ficava na torre do Independence Hall, mas atualmente está exposto no Liberty Bell Center, onde filas se formam até o símbolo da luta colonial pela emancipação e que também tocou em vários momentos históricos, nesse espaço relatos da independência americana, da luta pelos direitos das mulheres e negros podem ser vistos e lidos. E 1846 surgiu uma fenda no sino e ele, infelizmente, e para ser preservado parou de sonar.


Betsy Ross House: Após uma longa visita onde passamos pelo Independence Nacional Park, Franklin Court, Second Bank of US, entre outros rumamos à casa mais fofa da cidade, onde Betsy Ross confeccionou a primeira bandeira dos EUA, que até então eu só havia visto no desenho do Pica-pau (rs). Quem lembra? A casa foi restaurada no século XVIII e hoje é um memorial e pode ser visitada. Eu adorei tudo, já que na ida anterior à Filadélfia não pude conhecer, querendo ou não, só o fato de ver aquele círculo de estrelas bordado na bandeira me remeteu às manhãs frias de inverno onde minha única preocupação era assistir aos meus desenhos animados prediletos. 




Elfreth's Alley: ir até a Filadélfia e não conhecer a rua Elfreth's Alley é como nunca ter ido, então finalmente posso dizer que fui à Philly, pois conheci a rua mais antiga da cidade e pasmem, do país! Ladeada de casas do século XVIII (atualmente lojas e museus), é de um charme indescritível, ao caminhar pela Elfreth's você sentirá na pele a emoção de estar nas "Streets of Philadelphia".  




Rocket Fizz: apenas para registrar, essa é uma das mais sortidas lojas de refrigerantes do mundo, para quem gosta de novos sabores vale a pena conhecer, encontramos por acaso e paramos para provar alguns sabores exóticos. 


Pat's Cheesesteak: a hora do almoço em Philly pede um cheesesteak e por sugestão de alguns amigos pegamos um táxi e fomos provar o sanduíche mais tradicional da cidade, o Pat's Cheesesteak, vá com fome porque é giganteeeeee, conhecido como o causador do ataque cardíaco alimenta mesmo, como eu sempre digo desanimador de tão grande e gordo (rs). 


Philadelphia Museum of Art: novamente "bemmmm" alimentadas (rs), entramos na reta final do nosso tour que incluiu o Museu de Arte da Filadélfia, o Museu de Rodin e o Love Park. No Museu de Arte estão as famosas Rocky Steps, cenário que ficou mundialmente conhecido através dos filmes do boxeador Rocky Balboa, ao lado do museu uma estátua do lutador gera filas de turistas e fãs, que disputam a foto perfeita. 




Rodin Museum: abriu ao público em 29 de Novembro de 1929 e deve-se ao fascínio do magnata do cinema Jules Mastbaum, que colecionava obras e cópias originais das obras de Auguste Rodin, o que enriqueceu a cultura da cidade. A entrada do museu é marcada pela famosa Escultura O Pensador. 




Love Park: praça construída no centro da cidade em 1965 em homenagem ao Presidente John F. Kennedy e que começou a ser conhecida como Love Park após a colocação da escultura LOVE do design Robert Indiana, infelizmente ela não estava no local, pois foi retirada para reparos, mas conseguimos registrar uma que é mais a nossa cara, então valeu a pena. 


O percurso foi feito a pé, de trem e em táxi e nos impressionamos com a organização da cidade, em todas as esquinas placas indicavam a localização dos pontos turísticos, o que agiliza muito, ainda mais quando o tempo é curto. Passamos por várias igrejas, edifícios modernos e também históricos, mas como mencionei, este post é um resumo dando um "norte" para quem vai a NY e pretende conhecer em um dia cidades vizinhas como Philadelphia, Boston e Washington. Espero ter ajudado e caso queiram maiores informações estou aqui para ajudar. 

"Viajar é o mais saudável dos vícios." A.D.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Memorial 11 de Setembro

Um lugar que choca, assim pode ser definido o Memorial 11 de Setembro de Nova York, que foi construído para homenagear as vítimas dos ataques terroristas ao World Trade Center em 2001 e também para as vítimas do ataque ao WTC em 26 de fevereiro de 1993. 



Na minha viagem anterior a NY no local haviam somente tapumes, ele ainda estava sendo construído, aberto ao público em 11 de setembro de 2011 é de livre acesso para qualquer pessoa que deseje prestar suas homenagens. Para entrar no museu sim é que se cobra uma taxa de U$ 24,00. Cerca de 3.000 pessoas perderam suas vidas e seus nomes estão gravados em bronze nas duas piscinas que formam o núcleo do Memorial, que foram construídas nos pontos exatos onde ficavam as torres gêmeas. 



O clima é bem pesado, senti um "baque" quando cheguei, é bem estranho, parece que somos tomados por uma fraqueza, emoção e tristeza sem fim, que se intensificam quando adentramos o museu e vimos ruínas das torres, da escada dos sobreviventes, ouvimos os áudios das caixas pretas dos aviões e lemos os relatos que antecediam a morte das vítimas. 



O trabalho de conservação e principalmente de captação de tudo que sobrou da tragédia foi intenso e bem feito, roupas, calçados, e os mais diversos acessórios encontrados no local estão expostos, inclusive um dos caminhões do corpo de bombeiros quase que totalmente destruído. 



Ao observar as colunas e demais ruínas das Torres percebe-se a grandiosidade da engenharia que se reduziu a pó, o que demonstra a fragilidade do ser humano diante do terrorismo. O Memorial 11 de Setembro está aberto diariamente das 07:30 às 21:00 e no dia 11 de setembro o Memorial está aberto ao público das 15:00 até meia-noite. Um lugar que por toda sua carga histórica vale a pena conhecer, mas que eu nunca mais quero retornar.